ANÁLISE DAS CONTRADIÇÕES CORPORAIS NA DECLARAÇÃO DO PASTOR MARCO FELICIANO NO CASO DE ASSÉDIO


Ao analisar a Linguagem do Pastor Marco Feliciano, em sua declaração sobre a acusação de assédio, em primeiro momento, não fiz qualquer menção de que ele poderia ser culpado. Longe disso, meu trabalho aqui, é analisar sobre seu comportamento no quesito, corporal, tom de fala, e contradições diversas. Vamos ser objetivos e claros. 

Primeiro: Assista o vídeo sem som. Todos sabemos que a maioria da nossa comunicação é realizada através de gestos, micro expressões, inflexão de voz e congêneres. É notadamente visível (falando redundante para os sábios entendedores) que aparecem, um não, mas dezenas de contradições de fala. Vamos à exclusão número um. 

1. ELE É RELIGIOSO COM GRANDE FAMA, QUALQUER SITUAÇÃO QUE SEJA, NÃO TEM PADRÃO DE COMPORTAMENTO INCOMODATIVO EM MEIO A FALAR EM FRENTE À CÂMERAS DE TV (Principalmente que no momento de sua declaração, "oficial" está na sala possivelmente hospedado, com uma câmera amadora). Excluímos então, a hipótese do nervosismo por "aparecer primeira vez ao ar". Reforçando o argumento, o nervosismo incômodo que ele apresenta, não é motivado por ansiedade, e sim por MEDO, o que é péssimo para ele.

2. PERGUNTA NA AVALIAÇÃO DO PADRÃO COMPORTAMENTAL. O QUE SE ESPERA DE? Uma pessoa acusada de assédio injustamente.... Da para se ter uma básica noção no quesito raciocínio lógico. Não aparece em nenhum momento REVOLTA, RAIVA, OU ÓDIO, ligado a situação. Aparecem somente emoções de Ódio, pessoal. Ou seja, ligado diretamente à pessoa. Esse é o segundo ponto péssimo para o pastor. O comportamento humano, é avaliado para se defender instintamente de situações adversas. Mais comum, é ódio aparente LIGADO À SITUAÇÃO E A PESSOA JUNTOS, e não controle reforçativo de tal emoção específica na pessoa. Mesmo transparecer "bondade" "misericórdia" "complacência" nestes casos por ser uma figura religiosa, é muita conversa para boi dormir.... 

Não há como fugir do comportamento humano, e o que afeta o "caminho" de situações em que devemos mostrar certas emoções e reagir de tal maneira. 

Não há como ter emoção de raiva, separadamente. Tudo deve ter base linear. 1. Ou se tem raiva pela situação e a pessoa (normal) 2. Ou se tem raiva somente pela pessoa (pessoal, reconhecendo o fato) 3. Ou se tem raiva somente pela situação (incongruente, quem levou a situação?). Nestes casos, a segunda situação, permite entender que ele reconhece antecipadamente, o que se passa na íntegra. O "Ferir" a honra, gira em torno, de quem deveria manter segredo, berrar aos quatro cantos, sobre coisas que não deveriam ser ditas.


00:07 seg: "do que aconteceu nesta semana" A primeira avaliação é a contração do depressor do ângulo da boca do lado direto (de quem vê). Indica desprezo. Desdém. Seus olhos cerram em fração de segundos. "não querer ver". Há uma porção significativa de medo. Sem raiva.


00:12 seg: Aparecem gestos micro expressivos na testa. Chamadas por Darwin como Rugas da Dificuldade. Neste ponto notamos tensão (acúmulo de energia nervosa). Rugas do pesar. Aparecem em meio a situações de grande estresse, com medo incutido. Mais uma vez, sem raiva.

00:13 seg: "por isso fiquei em silêncio" Contração assimétrica do ombro direito. Insegurança. Dúvidas. Seus olhos abrem em processo cognitivo. Vibrações. Chamamos de esconder, encubar parte do roteiro. 


00:16 seg: Começam a aparecer deliberadamente, manipuladores clássicos de atividade dispersiva. Indícios de falta de confiança no que diz, ou arquitetamento de esconder meias verdades. Massageamento de mão é o mais clássico entre os gestos, quando alguém não tem suporte de fala. Um suporte de fala, é o gesto que enfatiza a fala de um explicador sincero. O gesticular não aparece no vídeo. Ao contrário, ele segura a mão de sua esposa. O que parece ser um "carinho de afeto" na realidade é um sinal revelador. Nota-se também no segurar da mão da esposa, incomodo em alto grau. A mão da esposa está com acúmulo de energia nervosa, é o que chamamos de tensão. A outra mão dela, está apoiada sobre o braço do pastor. Porém a mão não descansa sobre o braço. A mão faz o gesto no ar. Indica afastamento, vontade de não ter contatos. Rejeição. Claramente não só pelo gesto revelador das mãos, sabemos pelas micro expressões da esposa, que ela tem convicção de que o que ele diz, não é verdade. O incômodo da mentira, é absurdamente revelador, em alguém que reluta em aceitar tal fato. Aparecem gestos exorbitantes. 

O normal na esposa, seria enquanto o pastor dá sua declaração, mostrar sinais de conexão, não só afetiva, mas também de apoio. Olhar enquanto o outro fala, apoiar sua mão em gesto de afeto etc.
Seguindo na mesma linha, o pastor ainda mostra uma série de incongruências. Lamber nos lábios aos 00:19 seg. fechar significativamente os olhos; todos são indicativos de falta de sinceridade.

01:12 seg: "eu não vou julgar essa moça, eu perdoo ela" Aparecem incongruências. Primeiro, existe, tensão de medo na carótida. Região importantíssima na avaliação de medo reprimido. O medo é a primeira emoção que não deveria haver. Não só na carótida, bem como na região ocular, aparecem micro expressões suprimidas de apreensão e medo extensivo. Desde crianças aprendemos que; parte do ditado preliminar, do que fazer quando não se deve...

 A testa continua com acúmulo de energia nervosa. Quando ele diz "eu perdoo ela" ele inconscientemente revela incongruência corporal. A cabeça rigidamente tenta concordar com o que a boca diz. Repare que a cabeça gesticula que "sim" mas de forma mecânica. Neste momento, está o ponto da emoção importante. A RAIVA. Neste momento aparece o que chamamos da raiva suprimida ligada somente à pessoa.  O tal fato confirma, pois foi o único momento que houve a emoção. Para termos raiva ligada a situação, deveriam haver emoções durante todo o discurso, seguido de outros grupos emotivos, como indignação extensiva, revolta e etc.

01:27 seg: Quando diz, "não sou corrupto" seu ombro direito se contrai ligeiramente. Aparecem gestos de incomodo com o que está sendo dito no braço. Incongruências corporais.


01:55 seg: Apesar do medo, e a apreensão na região ocular. Emoção esta que JAMAIS deveria ter aparecido em meio a situação como esta, existe também emoção de VERGONHA. Os olhos cabisbaixo, para baixo, refugiando para qualquer um dos cantos, é o primeiro sinal que revela tal emoção.


01:59 seg: quando diz "família confia nele" A expressão que aparece na esposa parece não concordar . Aparecem tensão demasiada na testa da esposa. O segundo ponto é que ela suspira ligeiramente. São clássicos indícios de ódio LIGADO ao marido. Nos olhos aparecem claramente raiva. A boca esboça reprovação. No exato momento, quando termina o suspiro de ódio, ela contrai simetricamente o canto dos lábios, desprezo e raiva contida. Ele da mesma forma quando diz que a "família confia nele", ela parece não acreditar. Aparecem da mesma forma negações corporais e contrações nas partes exteriores dos lábios. Aparecem uma série de micro expressões em menos de meio segundo na esposa. Carga cognitiva abalada. Raiva remetente à Feliciano em alto grau.


02:11 seg: Reparem novamente no gesto de "ligação" Unir as mãos um do outro entrelaçando os dedos, indica ligação forte afetiva. Entretanto, novamente os dedos fazem gesto aéreo. O olhar da esposa mostra desconfiança.

Analisei também Patrícia Lelis, mulher que acusou o pastor. Qualquer menção que ela seja 100% inocente, está completamente descartada! No depoimento à polícia, ela mostra inúmeros sinais de mentira absurdamente escancarados. Coça o rosto, coça a nuca, sinais de inquietação, sinais de falta de confiança, congruência em exatidão. Inflexão de voz oscilante, etc. As duas partes, mentem, escondem fatos. 

A interpretação é óbvia. O homem charmoso vê a moça bonita e simpática, repara sorriso abertamente diferente. A moça bonita e simpática vê o homem charmoso feliz com sua abertura. O homem vê possibilidade de um encanto diferente. Renovador. Algo desperta em sua juventude. Na moça desperta uma objetiva forma em crescer de modo aproveitador e prolongado. Seu sustento de emergência está assegurado. No decorrer, o homem sente absurdamente a sucção. A consequência entra em choque. Há brigas. O homem reage se afastando deliberadamente sem motivos, ou com motivos desconexos, a mulher reage dando sua vingança, aumentando a situação do fato. A situação é típica entre pessoa versus pessoa pública. Não estou afirmando que seja categoricamente o fato. Mas a semelhança no comportamento dos dois ultrapassa qualquer barreira...

BRUNO SANTOS DA SILVA
Especialista em Linguagem Corporal e Micro Expressões

5 comentários:

  1. Olá Bruno,parabéns pelo impecável trabalho. Sempre me encanto com cada detalhe que você percebe. Obrigada por compartilhar o seu conhecimento com o público. Fiquei interessada no depoimento da jovem Patrícia. Teria como publicar a análise da entrevista?
    Muito obrigada e tudo de bom!

    ResponderExcluir
  2. Eu vi o video todo da entrevista, as expressões da mulher dele tem muito mais contradições do que a dele...

    ResponderExcluir
  3. Lincoln Poubel, você vai achar interessante.

    ResponderExcluir
  4. A cara da mulher é de quem legou uma gaia do varão

    ResponderExcluir
  5. E o vídeo da menina vc acha o que?

    ResponderExcluir

Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, termos agressivos, propaganda comercial, ou comentários desnecessários sem conteúdo. Para o envio de mensagens pessoais para o autor, utilize o e-mail. Caso haja erro no processamento na página ou vídeo com a análise ou artigo, deixe seu comentário para manutenção imediata.